Testosterona x Calvicie

0

Os cabelos são necessários, para a proteção do couro cabeludo, tanto do frio, como do calor, fazem parte da personalidade de cada um e exercem o papel de moldura do rosto. Porém, a queda dos mesmos é motivo de grande preocupação, entre homens e mulheres.

Um dos motivos pelo qual homens e mulheres tenham o processo de perda de  cabelos acelerado, é a reposição hormonal com testosterona. A calvície ou a alopecia androgenética, como é chamada, é assunto sério entre os pacientes.

É mais comum entre os homens, pois, eles produzem em maior quantidade o hormônio testosterona. Mas, mesmo sendo um hormônio sexual masculino, as mulheres não estão isentas de sofrerem com a calvície, pois elas também produzem esse hormônio, em menor quantidade.

O especialista Dr Baltazar Sanabria explica que, mesmo a testosterona sendo a grande responsável pelo problema, também existem fatores genéticos associados. “A genética é um dos pontos fortes na perda dos fios e não existe uma idade certa para o problema começar. O uso de testosterona também é um fator em potencial. A preocupação é grande e afeta o emocional das pessoas, mas já existem tratamentos eficazes, que estão auxiliando os pacientes, a retomarem a autoestima’, completa Dr Baltazar.

Nos homens, os sinais são percebidos com mais facilidade do que nas mulheres. Elas aparecem como “entradas” no topo da cabeça. Já nas mulheres, o padrão é diferente. Os fios vão afinando na região da linha divisória do cabelo feminino (no meio da cabeça), até atingirem o topo do couro cabeludo. É muito importante reparar se há uma queda excessiva dos fios, que são bem perceptíveis na hora de pentear o cabelo, por exemplo. Para a alopecia, dependendo do nível que estiver, existem tratamentos capazes de fazerem os fios voltarem a crescer. Mas, para os níveis mais avançados, já existem modernos métodos de implantes de fios.

Na Clínica Sanabria é possível realizar o transplante capilar, com resultados totalmente naturais. Uma das técnicas aplicadas é a Folicular Unit Extraction (FUE), onde são retirados fios da área doadora (do próprio paciente) e inseridos na região afetada pela calvície. Este procedimento é possível, quando a alopecia não atinge o couro cabeludo em sua totalidade.

“As unidades foliculares são extraídas das regiões laterais e posteriores da cabeça. Caso necessário, retiramos também de outras regiões do corpo. Isso é feito com um micro aparelho, que ajuda a deixar uma cicatriz não aparente. É um procedimento delicado, que leva muitas horas, mas o paciente tem alta no mesmo dia”, conclui Dr Baltazar Sanabria.

Mais sobre o Dr. Baltazar Sanabria

Fellow em Cirurgia de Restauração Capilar: Dr. Alex Ginzburg’s Clinic in Raanana, Israel, Especialização em doenças do cabelo e couro cabeludo: Hospital Servidor Municipal de São Paulo, Residência Médica em dermatologia na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Faculdade de Medicina: Universidade Federal da Grande Dourados, Professor Assistente no Ambulatório de Tricologia Residência Dermatologia UFMS, Membro Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Membro titular da Sociedade Brasileira de Restauração Capilar.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.