Gustavo Vas cita importância da família no processo de construção de sua carreira musical

Cantor sertanejo passo por diversas fases até consolidar seu nome na estrada musical

Como já diz o ditado: “Filho de peixe, peixinho é”. Gustavo Vas cresceu em uma família onde a música fez morada desde cedo! Filho de músico, sobrinho de pianista clássico e irmão de cantores, o jovem tentou ir um pouco na contramão do que estava acostumado a ver dentro de casa, mas, não conseguiu, afinal, o DNA acabou falando mais alto.

Dedicado ao Pop Rock no começo de sua jornada musical, Gustavo sempre soube como funcionavam as apresentações sertanejas, afinal, acompanhou tanto seu irmão mais velho, quanto o do meio, por um bom tempo. Ambos tiveram muito prestigio na carreira artística, com duplas sertanejas.

Há mais de 10 anos, ele fez o primeiro show como Gustavo Vas, desde então sua vida começou a passar por uma mudança tão forte, que acabou deixando sua carreira profissional em um banco de lado e foi em frente, como os familiares, no mundo artístico.

“Eu comecei no Pop Rock, tive uma banda que se chamava banda Emmliy, a vocalista hoje é a única interprete mulher da Escola de Samba Mocidade Alegre, mas, quando falavam de sertanejo eu sabia tudo, por conta de acompanhar sempre meus irmãos. Eu fiz meu primeiro show como Gustavo Vas há dez anos e de forma despretenciosa como sertanejo. Depois daquele dia, no primeiro mês eu fiz 16 shows. Deixei minha carreira de banco para ser cantor. Fiz dupla com Luciano Passos, ex-sanfoneiro do Vitor e Leo por 10 anos, fizemos dupla durante quatro anos”, disse ele.

Imerso na música, Gustavo se dedicou durante quatro anos a carreira. Porém, alguns desencontros fizeram com que ele optasse por colocar um ponto final na parceria, que foi de muito sucesso enquanto durou.

“Nestes quatro anos, não fizemos menos de 20 show por mês, 45 shows por mês chegamos a fazer, todos os tipos de eventos. Tivemos CD gravado, um videoclipe nomeado de ‘Eu já falei para você’. Este CD distribuímos em rádios e logo viralizou, chegamos a tocar em 40 a 45 cidades as nossas músicas, atingindo o top 5”, contou o astro.

O fim veio à tona e, junto com ele, a necessidade de tomar decisões. Casado, na época, o cantor decidiu ir com sua ex-companheira para a Austrália, onde estava disposto a começar uma vida nova. Porém, a música novamente cruzou seu caminho e tudo começou com uma apresentação na famosa Darling Harbour, que teve como consequência o convite para participar do famoso Brazillian Day.

Nos dias de hoje, o profissional é um dos maiores nomes quando falamos de música brasileira e sertanejo no país da Oceania. Dono de milhares de ideia revolucionárias, Gustavo vem trabalhando para garantir sua permanência por lá e seguir implementando, ainda mais, os estilos musicais e a diversidade brasileira no país.

“Uma das coisas mais importantes é que eu estou tentando deixar o sertanejo vivo na Austrália. Não quero deixar que o sertanejo morra aqui, eles não tinham a oportunidade de ouvir nosso estilo ao vivo. Eu estou fazendo o possível para dar vida a esta conexão musical”, finalizou.