Novembro Azul: a importância de falar sobre o assunto

Este é o mês da prevenção e luta contra o câncer de próstata

Por Rosangela Sampaio

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), em 2018 foram registrados 1,28 milhões de casos no mundo de câncer de próstata.

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos e considerando ambos os sexos, é o segundo tipo mais “corriqueiro”.  A taxa de incidência é maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento (INCA, 2019).

Isolamento social, desvalorização, sentimento de impotência, perda de identidade e medo, geralmente por se sentir ameaçado – tanto fisicamente quanto psicologicamente – são sintomas recorrentes no processo de descoberta da doença.

No início do tratamento é possível perceber uma relutância por parte do paciente, que acredita estar condenado. Afinal, culturalmente os homens são reconhecidos pelos comportamentos socialmente machistas e a doença, por sua vez, pode deixar sequelas que não permitem tais comportamentos.

O apoio de familiares e até a terapia são primordiais durante o tratamento

Novembro Azul e a terapia

Recebo homens e muitas vezes casais em meu consultório para o processo psicoterapêutico, que é um dos caminhos para auxiliar o paciente, sua parceira e seus familiares no tratamento contra a doença. Na clínica, o homem é convidado a refletir sobre as suas emoções e como gerar mais emoções positivas, engajamento e aceitação durante o tratamento, sentido de vida, realizações, relacionamentos positivos, o lugar da sua masculinidade, além dos estereótipos que desconsideram a individualidade. 

Estudos comprovam que pessoas mais otimistas têm resultados melhores em relação ao câncer, com forte nível de significância.

“A revisão mais completa, Optimism and Psysical Health: A Meta- Analytic Reviw” [‘Otimismo e saúde física: Uma revisão metanalitica”], foi publicada na revista Annals Of Behavional Medicine, em 2009. Ela mentaliza 83 estudos independentes sobre o otimismo e a saúde. Dezoitos desses 83 estudos, envolvendo um total de 2858 pacientes, têm a ver com o câncer. Juntos, eles descobriram que pessoas mais otimistas tem resultados melhores em relação ao câncer”.

Cada paciente lida à sua maneira em relação ao seu diagnóstico, no entanto, algumas dicas podem ajudar no tratamento:

  • Comece a observar o seu próprio comportamento em relação a doença e a refletir sobre ele;
  • Encontre maneiras de dominar as suas emoções, como exercícios de controle da respiração;
  • Trabalhe o aprendizado do otimismo;
  • Pratique exercícios regularmente, alimente-se bem e de forma saudável e procure descansar;
  • Busque um grupo de apoio de pacientes com o mesmo problema que você;
Rosangela Sampaio é psicóloga, coach, escritora e palestrante

O autocuidado é um fator determinante para prevenção

Autocuidado nada mais é do que garantir maior qualidade de vida e bem-estar para si mesmo. Uma das maneiras de reduzir o risco de câncer de próstata é garantir a prática de atividade físicas com regularidade e uma alimentação saudável.

A importância do exame de toque retal e do exame de sangue para avaliar a dosagem do PSA (antígeno prostático específico) são temas recorrentes durante a campanha do Novembro Azul.

A campanha é importante porque nos faz compreender o nosso papel na sociedade em relação à doença. E, assim, mostra que podemos mudar os nossos hábitos, nos informar e termos um papel de destaque com relação a prevenção da doença!

Rosangela Sampaio é Psicóloga e Coach (CRP06/130574). Atende de forma presencial e online. Saiba mais em @rosangelasampaiooficial