Cirurgião plástico aponta os perigos do cigarro para pacientes que irão se submeter à cirurgias

Fumar é um hábito que além de não ser saudável, pode colocar em risco muito mais do que o seu pulmão. Além do tabagismo diminuir a expectativa de vida, pessoas fumantes que se submetem a uma intervenção cirúrgica, possuem maior risco de complicações durante e após a cirurgia.

O cirurgião plástico Dr. Seung Lee, especialista pela SBCP, relata que o tabagismo pode ocasionar diversas complicações em pacientes que são submetidos a uma cirurgia : “o cigarro é um dos maiores agressores dos vasos sanguíneos, e como consequência podemos

citar a diminuição da oxigenação do corpo e a distribuição de nutrientes. Por esse motivo, pacientes fumantes podem apresentar prejuízo no processo de cicatrização, acarretando em abertura de pontos, necrose, cicatrizes hipertróficas e quelóides. Além disso, o cigarro aumenta o risco de trombose e da temida embolia pulmonar.”

Reprodução / MF Press Global

O Dr. Seung orienta que pacientes fumantes suspendam o cigarro pelo máximo de tempo possível antes de realizar procedimentos cirúrgicos: “ O período que o paciente deve ficar sem fumar vai depender da extensão e duração da cirurgia realizada. Para alguns procedimentos, em média 2 a 6 meses sem fumar seria o indicado. “

Dada a seriedade da questão, o Dr. Seung orienta que o paciente sempre seja franco com o médico antes da cirurgia: “omitir informações ou mentir para o cirurgião sobre estar fumando ou não é muito perigoso. Afinal, estamos lidando com a vida, podendo ser uma questão que separa um procedimento bem sucedido de uma tragédia” .