Especialista fala sobre feminicídio e violência doméstica

Em meu consultório, através das perguntas que faço, acabo percebendo que a grande maioria de nós mulheres já sofreu algum tipo de abuso, seja quando jovens, crianças ou adolescentes, mas nesse caso, foram de pequeno impacto e não nos afetou em perspectiva de vida; porém os abusos como estupros, surras e até controle psicológico, esses vão assombrar para sempre essas mulheres que muitas vezes, por vergonha da sociedade, aceitarão ser reféns até possivelmente serem mortas um dia.

Apesar de isso existir há anos, agora temos a visão maior do Feminicídio e pessoas estão trabalhando para diminuir essa então covardia masculina.

As razões pelas quais as mulheres são abusadas ou espancadas estão bem claras.
Mulheres são mais fracas e delicadas, não aprendemos técnicas de defesa, não batemos, e claro, que se tornam alvo mais fácil para um psicopata desequilibrado e/ou viciado praticar suas raivas e frustrações.

É tudo tão brutal que faz calar aquela que não tem apoio, ou mesmo para onde ir e que sabe que o agressor vai preso e sai no dia seguinte para matá-la.

Aumentar o tempo de prisão deles? Isso é ridículo, pois tinha de ser perpétua, e esses caras são soltos dias depois.

Nossas leis são implacavelmente machistas durante séculos.
Tenhamos esperança na mudança!
Não é com violência que se combate à violência, mas tenho a ideia de que deveríamos ter, além de muitos fatores, treinamentos para autodefesa pessoal gratuito para todas as mulheres, pois,
saber se defender, saber cair, saber dar um golpe, saber se desviar de um soco, é fundamental nessa hora.
Será que ninguém pensou nisso? Vamos procurar, pois creio que esse é um dos artifícios muito importante para a lei da sobrevivência.

Na terapia integrativa podemos utilizar técnicas como regressão e meditação guiada, além de fazermos vários testes para saber em que grau de abuso você se encontra em um relacionamento e as razões pelas quais você está aceitando isso.

Faça um pequeno teste:

1- Você acha que é tratada com respeito?
Ele te apoia, ouve o que diz, te valoriza e te trata com amor?

2- Ele berra e você se cala para evitar o que pode vir a seguir?

3- Ele te trai e você sabe, mas fica ali com medo de tomar uma decisão?

4- Ele quebra coisas e aparece com uma raiva nos olhos que você desconhece?

5- Ele já fez sexo com você quando você disse que não queria?

6- Já ficou bêbado e te agrediu e dia seguinte disse não se lembrar?

Fiquem atentas aos sinais, às vezes são muitos, mas você ignora pelo bem-estar da família ou coisa do tipo.

Não seja infeliz, seja livre.
Andrea Murgel
Terapia integrativa e análise comportamental.