Você está infeliz com o seu trabalho? Saiba que você não está sozinho!

Helô Scarantino, Coach de Realização Profissional, explica o descontentamento alarmante dos trabalhadores na atualidade

Levantamentos mostram que de 70 a 80% das pessoas sentem-se insatisfeitas em seu trabalho atual.

A Coach de Realização Profissional, Helô Scarantino

Por mais que essa constatação possa nos levar a pensar que seja algo ruim, por outro lado alguns pontos novos podem ser levantados, entre eles a busca pela realização profissional.

Segundo Helô Scarantino, coach de Realização Profissional, muitos antes apenas viabilizavam a realização de desejos pragmáticos, como a compra de uma casa ou proporcionar uma educação de qualidade para os filhos.

Entretanto, embora isso continue sendo importante, hoje já não é mais o suficiente. O desejo de encontrar um verdadeiro senso de realização no trabalho é algo cada vez mais presente em boa parte dos profissionais.

“Para mim esses dados significam algo muito positivo, afinal, somente ao nos depararmos com nossas dores e sombras é que teremos a real possibilidade de mudarmos algo que não está indo bem em nossas vidas”, explica.

Tivemos um bate-papo com a profissional, que detalha mais esse assunto. Confira!

Podemos afirmar que a internet interfere na insatisfação no trabalho, principalmente quando a pessoa vê nas redes sociais fotos de viagens, de passeios ou até mesmo de conquistas profissionais das outras pessoas, e acabam se sentindo inferiorizadas?

Helô – Acredito que não, pois a insatisfação profissional é algo que ocorre dentro de nós, por alguma incongruência que já estamos vivendo, independentemente do que observamos externamente.

Porém, de acordo como as pessoas, escolher lidar com a realidade e as redes sociais podem provocar diferentes reações.

Por exemplo, se uma pessoa está vivendo uma grande insatisfação profissional, ao ver pessoas felizes e realizadas profissionalmente ela pode se sentir vítima de uma situação que, na realidade, está 100% no seu controle mudar.

Ou pode ver que há outro caminho a ser seguido e decidir mudar sua trajetória, pois percebe que é possível ser realizada na profissão!

Qual a influência da família, tanto na escolha da profissão, quanto quando a pessoa decide mudar de área?

“A segurança e a estabilidade costumam ser um peso muito grande”

Helô – A família tem grande influência em várias escolhas ao longo de toda a nossa vida.

Mas precisamos estar atentos que, muitas vezes, a opinião de nossa família pode conter medos e crenças limitantes sobre alguns temas.

A “segurança” e “estabilidade” costumam ter um peso muito grande, mesmo que isso cause uma enorme insatisfação no outro.

Claro que ninguém faz isso por mal! Muitas vezes a família pode querer nos desencorajar de seguir caminhos “desconhecidos”, por amor, uma vez que isso pode trazer “risco”, na perspectiva dela.

E como a pessoa pode fazer para não se influenciar por essas pessoas? Ou é benéfico que “quem quer bem” dê a opinião dela?

Helô – Entendo que devemos estar abertos para ouvir a opinião das pessoas que nos amam e nos querem bem, porém, é fundamental termos clareza do que é importante para nós!

Na minha visão, realização profissional ocorre na intersecção de 3 vertentes: uso de nossos talentos, vivendo nossas paixões à serviço de nossos clientes (empresas ou pessoas que valorizam, precisam e contratam nosso trabalho).

E fazer com que essas três coisas aconteçam depende do nosso grau de autoconhecimento e clareza para fazer escolhas conscientes.

Há alguma idade média em que as pessoas fiquem mais insatisfeitas no trabalho?

Helô – Acredito que não, a insatisfação pode surgir em diferentes da vida.

Já atendi pessoas na faixa de 20, 30, 40 anos e, mais recentemente, atendi uma mulher de 60 anos que, após se aposentar, sentiu que havia chegado a hora de trabalhar com algo que realmente amasse.

“Mudar está ao alcance de todos”

O importante é que não importe a idade: quando você sentir que algo em sua carreira não está bem, é a hora certa de rever suas escolhas.

Por sua experiência, mais homens ou mulheres sentem esse impasse diante da vida profissional?

Helô – Atualmente, eu sinto que essa questão esteja acontecendo em ambos os sexos, mas acredito que muitas vezes as mulheres despertam mas cedo para essas questões principalmente por conta da maternidade que.

Ela, sem dúvidas, traz novos valores para sua vida e as fazem questionar se seu trabalho faz mesmo sentido.

Por fim, como podemos incluir assédio sexual, preconceito, bullying e outras situações constrangedoras como parte dessa estimativa de 70% a 80% de pessoas insatisfeitas no trabalho?

Helô – Ao meu ver a insatisfação profissional ocorre quando você não consegue conectar seu propósito pessoal ao propósito do trabalho que realiza.

Desta forma, não vejo uma correlação direta entre esses temas.

Serviço:

Helô Scarantino – Coach de Realização Profissional

www.heloscarantino.com.br ou www.facebook.com/heloscarantinocoach