Izildo Galindo estréia O ABAJUR LILÁS, obra de Plínio Marcos em SP

Depois de viver um torturador na Peça “Nossa História” de Pedro Fagundez, eleita a segunda melhor peça com a temática LGBT pelo Guia Gay SP em 2017, IZILDO GALINDO está de volta aos palcos paulistanos dando vida ao polêmico cafetão GIRO na nova montagem do clássico de Plínio Marcos.
.
Escrita no auge da Ditadura Militar, “Abajur Lilás” acabou se tornando uma bandeira da luta contra a censura. Sua primeira (tentativa de) montagem ocorreu em 1969 com um elenco formado por Paulo Goulart, Nicete Bruno e Walderez de Barros no elenco.  Antes da estreia recebeu seu selo de proibição por um período de 5 anos .Finalmente em 1980, ainda sob as asas do Regime Militar, mas em seu processo de abertura “lenta, gradual e segura”, a peça teve sua estreia, com direção de Fauzi Arap e com Walderez de Barros no elenco.
 .
O ABAJUR LILÁS , faz referência aos órgãos repressores explicíto na figura de Giro (Izildo Galindo), o cafetão homossexual que explora três prostitutas em um pardieiro.
 .
São elas a batalhadora Dilma (Nyara Hadassa / Ju Carrega), a revoltada Célia (Luana Araujo) e a sonsa Leninha (Beatriz Trindade /Esther Azevedo).
 .
Um abajur quebrado deflagra a ira de Giro, que com a ajuda do fiel protetor Oswaldo (Thiago Winter ) expõe a miséria à qual todos, inclusive ele, estão submetidos…
 .
Importante ressaltar que a genialidade do autor ultrapassa gerações continuando tão atual mesmo 38 anos depois de sua primeira montagem.
 .
Direção Geral de Genes Shiva Holder.
Dia 16 de março, sempre as sextas, às 21h
No teatro do Ator, na Roseevelt!
 .
CG1 Comunicação (Divulgação)